16.7 C
Sintra
Domingo, Agosto 1, 2021
Início Portugal Vendas de combustíveis em postos aumentam em abril e aproximam-se de níveis...

Vendas de combustíveis em postos aumentam em abril e aproximam-se de níveis pré-pandemia

Há uma clara recuperação após a descida histórica verificada em abril do ano passado

PUB

As vendas de combustíveis rodoviários, em Portugal, voltaram a acelerar no mês de abril tendo atingido um valor total de 358,433 milhões de litros, crescendo 34 milhões de litros face ao mês anterior (+10,49%) e com uma variação homóloga de mais 165 milhões de litros (+85,31%), face aos valores verificados em abril de 2020 para o mesmo universo de postos de abastecimento de combustíveis retalhistas, que registaram os seus indicadores de atividade junto da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), através do Balcão Único da Energia.

Assim, como é possível verificar nos quadros seguintes, estes níveis robustos de crescimento foram verificados em todos os tipos de vendas de gasóleos e gasolinas rodoviários, com as gasolinas a subirem 16,20% face ao mês anterior (e +101,85% face a abril de 2020) e com os gasóleos a aumentarem 8,86% face a março de 2021 (e +80,79% face a abril de 2020), sendo que este incremento extraordinário face a 2020 é racional a partir do momento que tivermos em linha de conta que abril de 2020 foi o primeiro mês de confinamento geral no contexto da crise pandémica e aquele que representou as restrições mais profundas com a declaração do estado de emergência.

Para além disso, analisando o comportamento e desempenho deste universo de postos de abastecimento de combustíveis retalhistas nos meses de abril de 2019, 2020 e 2021, pode-se constatar que há uma clara recuperação após a descida histórica verificada em abril do ano passado (com o pico de confinamento no âmbito da crise pandémica) e, que leva já a uma clara aproximação aos níveis verificados pré-pandémicos, como se comprova pelo quadro seguinte, que mostra que o total de combustíveis rodoviários vendidos em abril de 2021 ficou apenas 10,64% abaixo do verificado em abril de 2019, numa trajetória de recuperação assinalável.

- PUB -

EM DESTAQUE