15.8 C
Sintra
Terça-feira, Setembro 28, 2021
Início Municípios Sintra Sintra Capital Europeia da Economia Social 2021

Sintra Capital Europeia da Economia Social 2021

A Carta de Compromisso foi assinada por Sintra em conjunto com os Municípios de Braga, Cascais, Coimbra, Torres Vedras e a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social – CASES

PUB

A Câmara Municipal de Sintra assinou a Carta de Compromisso para a criação de uma Rede de Cidades Portuguesas – Capital Europeia da Economia Social 2021, no dia 29 de março, no Palácio Nacional de Queluz.

A Carta de Compromisso foi assinada por Sintra em conjunto com os Municípios de Braga, Cascais, Coimbra, Torres Vedras e a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social – CASES, durante a realização da conferência “O papel da Economia Social na criação de emprego e na implementação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais“.

Na sessão de abertura, o presidente da autarquia, Basílio Horta, referiu que esta iniciativa constitui “um marco muito importante para o reconhecimento e afirmação deste relevante setor da economia nos territórios destes municípios”.

“Em Sintra, o setor da economia social destaca-se pelo número e diversidade de organizações, com 1.207 entidades, representando 2% do total nacional distribuídas por diversos segmentos, tais como cultura, serviços sociais, organizações religiosas, educação, saúde e proteção ambiental”, acrescentou o edil.

Basílio Horta destacou as medidas implementadas pelo município de Sintra no apoio ao setor social, seja no plano financeiro “com as suas atividades e projetos, mas também através da cedência de instalações e de recursos humanos, logísticos e materiais indispensáveis ao desenvolvimento da sua ação”.

Sintra tem desenvolvido programas específicos de financiamento como o Programa de Apoio Financeiro às Instituições sem fins lucrativos (PAFI) e a criação de Fundos de Emergência, destinados ao apoio financeiro extraordinário, atribuído a este setor para fazer face às dificuldades de tesouraria provocadas pela Covid-19.

O apoio financeiro às entidades da economia social corresponde a um forte investimento do orçamento municipal e inscreve-se na estratégia de desenvolvimento local, com vista a garantir a equidade no acesso a bens e serviços e o equilíbrio dos direitos sociais nas diversas comunidades. Este é um investimento de elevado retorno social que alavanca o combate à pobreza e à exclusão social e promove a igualdade de oportunidades e o progresso inclusivo.

Neste sentido, o município de Sintra reconhece as organizações da Economia Social enquanto parceiras fundamentais no desenvolvimento sustentável do território e como veículos de excelência para a promoção da participação cidadã, da cooperação e da coesão social.

Em 2021, Portugal assume a presidência semestral do Conselho da União Europeia (UE), como também a presidência do Comité de Monitorização da Declaração do Luxemburgo, composto por 18 países da UE comprometidos com a economia social. Neste sentido, competiu a Portugal nomear a Capital Europeia da Economia Social para 2021, estatuto que, pela primeira vez, é partilhado por cinco cidades selecionadas pela CASES.

Os municípios comprometem-se a contribuir para as principais prioridades e objetivos estratégicos da União Europeia, tais como o desenvolvimento mais inteligente, sustentável e inclusivo, coesão social, pleno emprego e luta contra a pobreza, democracia participativa, melhor governação e desenvolvimento sustentável.

- PUB -

EM DESTAQUE

CPV lança formação gratuita em Voluntariado

A Confederação Portuguesa de Voluntariado irá promover, nos próximos dias 28 de setembro e 12 de outubro, duas novas sessões online de...

Concerto «Cancioneiro Musical Português» de G. R. Salvini em Mafra

Gustavo Romanoff Salvini é considerado um dos mais importantes compositores da música portuguesa do século XIX. A sua obra "Cancioneiro Musical Português...

Quinta da Ribafria recebe 16.º Encontro de Alternativas em Sintra

Tempo de Agir é o mote para o 16.º Encontro de Alternativas em Sintra, que tem lugar de 1 a 3 de...

Mais de 5 milhões de consumidores de gelados

O estudo TGI da Marktest quantifica, na vaga de julho de 2021, em 5 276 mil o número de indivíduos que referem ter consumido...