15.5 C
Sintra
Sexta-feira, Outubro 22, 2021
Início Opinião Steven W. Mosher afirma que o coronavírus por trás do surto de...

Steven W. Mosher afirma que o coronavírus por trás do surto de COVID-19 pode ter saído de um laboratório de virologia chinês

Opinião de Steven W. Mosher

PUB

O autor deste artigo no New York Post, Steven W. Mosher, é o presidente do Instituto de Pesquisa Populacional e autor de “Intimidação da Ásia: por que o ‘sonho’ da China é a nova ameaça à ordem mundial”.

Em uma reunião de emergência realizada em Pequim, o líder chinês Xi Jinping falou sobre a necessidade de conter o coronavírus e criou um sistema para evitar epidemias semelhantes no futuro.

Um sistema nacional para controlar os riscos de biossegurança deve ser implementado “para proteger a saúde das pessoas”, disse Xi, porque a segurança do laboratório é uma questão de “segurança nacional”.

O que Xi não disse é que o coronavírus que adoeceu mais de 76.000 e matou mais de 2.200 vidas escapou de um dos laboratórios de biorresearch do país. Porém, no dia seguinte, surgiram evidências sugerindo que isso foi o que aconteceu, quando o Ministério de Ciência e Tecnologia da China divulgou uma nova diretiva intitulada “Instruções para fortalecer o gerenciamento de biossegurança em laboratórios de microbiologia que lidam com vírus avançados como o novo coronavírus”.

Leia isso de novo. Parece que a China está admitindo que pode haver um problema em manter patógenos perigosos em tubos de ensaio, não é? E quantos “laboratórios de microbiologia” existem na China que lidam com “vírus avançados como o novo coronavírus”?

Acontece que em toda a China existe apenas um. E este está localizado na cidade chinesa de Wuhan, que, é claro, é o epicentro da epidemia.

Está certo. O único laboratório de microbiologia de nível 4 da China equipado para lidar com coronavírus mortais, chamado Laboratório Nacional de Biossegurança, faz parte do Instituto Wuhan de Virologia.

Além disso, o principal especialista em guerra biológica do Exército de Libertação Popular, o major Chen Wei, foi enviado a Wuhan no final de janeiro para ajudar no esforço de conter o surto.

De acordo com o PLA Daily, Chen está pesquisando coronavírus desde o surto de SARS de 2003, assim como Ebola e antraz. Essa também não seria sua primeira viagem ao Instituto de Virologia Wuhan, pois é um dos únicos dois laboratórios de pesquisa de armas biológicas em toda a China.

Isso me sugere que o novo coronavírus, agora conhecido como SARS-CoV-2, pode ter escapado daquele mesmo laboratório, e que o trabalho de Chen é tentar colocar o gênio de volta na garrafa.

Adicione ao histórico de incidentes semelhantes da China. Até o mortal vírus SARS escapou – duas vezes – do laboratório de Pequim, onde estava sendo usado em experimentos. Ambos foram rapidamente contidos, mas nenhum dos dois teria acontecido se fossem tomadas as devidas precauções de segurança.

E existe um fato pouco conhecido: acredita-se que alguns pesquisadores chineses vendam animais de laboratório a vendedores ambulantes depois que terminam de experimentá-los.

Você me ouviu direito.

Em vez de descartar adequadamente os animais infectados por cremação, conforme a lei exige, eles os vendem de lado para ganhar um pouco de dinheiro extra. Ou, em alguns casos, muito dinheiro extra. Um pesquisador de Pequim, agora preso, ganhou o equivalente a um milhão de dólares vendendo macacos e ratos no mercado de animais vivos, de onde provavelmente acabaram no estômago de alguém.

Também alimentando suspeitas sobre as origens do SARS-CoV-2 está a série de desculpas oferecidas pelas autoridades chinesas quando as pessoas começaram a adoecer e morrer.

Eles primeiro culparam um mercado de frutos do mar não muito longe do Instituto de Virologia, mesmo que os primeiros casos documentados de COVID-19 (a doença causada pela SARS-CoV-2) envolvessem pessoas que nunca haviam pisado lá. Eles apontaram cobras, morcegos e até um tamanduá escamoso chamado pangolim como a fonte do vírus.

Eu não compro nada disso. As cobras não carregam coronavírus, e os morcegos não são vendidos no mercado de frutos do mar. Os pangolins também não são espécies ameaçadas de extinção, valorizadas tanto pelas suas escamas quanto pela carne.

A evidência, para mim, aponta para a pesquisa de SARS-CoV-2 sendo realizada no Instituto de Virologia Wuhan. O vírus pode ter sido levado para fora do laboratório por um trabalhador infectado ou cruzado para humanos que, sem saber, consumiram um animal de laboratório. Qualquer que seja o vetor, as autoridades de Pequim estão claramente tentando corrigir sérios problemas com a maneira como seus laboratórios lidam com patógenos mortais.

A China pode ter desencadeado uma praga em seu próprio povo. É muito cedo para dizer quantos na China e em outros países finalmente morrerão, mas o custo humano será alto.

Mas não se preocupe. Xi nos garantiu que está controlando os riscos de biossegurança “para proteger a saúde das pessoas”. Os especialistas em armas biológicas do PLA estão no comando.

Duvido que o povo chinês ache isso muito tranquilizador. Nem devemos.

- PUB -

EM DESTAQUE