20.9 C
Sintra
Domingo, Agosto 1, 2021
Início Notícias Sociedade Alenquer vende antiga fábrica de lanifícios por 1,1 milhões de euros

Alenquer vende antiga fábrica de lanifícios por 1,1 milhões de euros

Antiga fábrica de lanifícios vai dar lugar a uma unidade hoteleira e SPA

PUB

O município de Alenquer procedeu esta terça-feira à alienação em hasta pública da antiga Fábrica de Lanifícios Chemina pelo valor de 1 milhão e 110 mil euros, à imobiliária Sunshine Life – Investimento Imobiliário, Unipessoal Lda.

A hasta pública, lançada em novembro do ano passado, contou apenas com a proposta vencedora, que terá agora de apresentar o projeto de execução das obras, sem o qual não será celebrada a escritura final de venda.

Nos termos da hasta pública, o vencedor fica obrigado a construir ali uma unidade hoteleira com SPA e aparthotel e a manter a traça arquitectónica da fachada da antiga fábrica.
O projeto terá, também, que contemplar um auditório que deverá ser cedido durante 20 horas mensais ao município alenquerense.


Ainda de acordo com o caderno de encargos, o adjudicatário terá de iniciar as obras no prazo de 3 anos e meio, após o qual serão aplicadas sanções no valor de 50 mil euros anuais. Se no prazo de 5 anos o projeto não avançar, o município terá o direito de pedir a reversão do edifício. As expetativas, contudo, são que a obra avance em coordenação com as obras do PEDU, que preveem a requalificação de toda a zona envolvente.

O presidente do município de Alenquer, manifestou-se satisfeito com a conclusão da hasta pública, e considera que estão “finalmente reunidas as condições para devolver este edifício histórico à vila de Alenquer”, disse.
“A fábrica da Chemina tem um valor inestimável pela sua história, mas também pela forma como fez parte da vida de tantas gerações de alenquerenses e por isso é com muita satisfação que após tantos anos de impasses, concluímos com sucesso a hasta pública que vai permitir a recuperação integral do edifício”, afirmou o presidente.

“Depois consideramos que a construção de uma unidade hoteleira vem ao encontro de uma necessidade da vila e do concelho, até porque apesar de nos últimos anos terem vindo a surgir cada vez mais unidades de alojamento local, são ainda claramente insuficientes, quer para sustentar o turismo, que vimos encarando como um investimento estratégico e estrutural, quer também para aumentar a dinâmica económica no concelho de Alenquer, que passará a ter uma maior capacidade de receber e reter quem nos visita”, acrescentou.

História

Fundada por uma sociedade em comandita, a COMPANHIA DE LANIFÍCIOS DA CHEMINA ficou a dever-se à iniciativa dos irmãos José Joaquim e Salomão dos Santos Guerra, depois gerentes do estabelecimento. Com projeto de José Juvêncio da Silva – que também projetou os Paços do Concelho – começou a edificar-se em abril de 1889, em terrenos da antiga quinta ou Casal da Chemina, de onde adotou o nome. Foi inaugurada em junho de 1890. Pouco tempo depois empregava 200 operários de ambos os sexos e fabricava, entre outros produtos, xales, casimiras, castorinas, cintas, barretes e cobertores. Ao contrário das fábricas suas contemporâneas, opta apenas pela força de uma máquina de vapor, quando a sua situação, junto do rio, lhe poderia proporcionar o uso do sistema hidráulico. Pouco tempo mais tarde a sociedade proprietária transforma-se em sociedade anónima. Boa parte do capital está nas mãos de industriais e banqueiros do Porto, como Cândido Ribeiro da Silva e Carlos José Alves. José e Salomão Guerra, para além de gerentes da fábrica, asseguravam a chefia das secções de acabamento e tecelagem. Antes da fundação da Chemina, haviam exercido idênticos lugares nas fábricas da Romeira e “do Meio”, razão porque terão deixado a sua terra de origem, Arrentela, concelho do Seixal, outro importante centro de produção de lanifícios. Meio século depois da fundação, em 1940, a FÁBRICA DE LANIFÍCIOS DA CHEMINA, S.A.R.L., continua a fabricar os mesmos produtos. Tem sede no Porto, na Rua Formosa, e a gerência está ainda confiada a um Guerra, Isidoro de Castro Guerra, sobrinho dos fundadores. Mas em 1948 é já outra empresa que explora o estabelecimento. Chama-se então FÁBRICA BARROS, LDA.. Por pouco tempo. Entre 1949 e 1952 permanece fechada, até que se forma outra empresa que a adquire: a EMPRESA LANIFÍCIOS TEJO, LDA., que a reequipa e põe a funcionar. Em 1977 emprega 160 trabalhadores. Em 1994, à beira do fecho definitivo, ocupando apenas parte dos edifícios, emprega apenas 15 a 20 operários. Os prédios são hoje propriedade municipal. Em 2000, o edifício principal sofreu um violento incêndio.

- PUB -

EM DESTAQUE